Total de visitantes até hoje

sábado, 12 de novembro de 2016

NÃO É AMOR, É SEXO



NÃO É AMOR, É SEXO
Sinto que você está me amando,
Sua boca diz que não...
Mas seus olhos dizem sim.
Minha presença a deixa tonta;
Você treme a voz, a mão.
Não sabe fingir.
Por acaso, nos abraçamos.
Beijo foi casualmente,
E, se entregou, enfim.
Foi assim que nós ficamos.
Tudo foi naturalmente,
E, agora, quer ser dona de mim.
Um momento, uma transa,
Que surgiu eventualmente,
Foi desejo imperdível.
Você chegou cheia de manha,
Foi prazer irresistível.
Foi sexo apenas, não lamente.
Agora, vem com esse jeitinho,
Querendo compromisso,
Querendo mais que isso,
Ser dona de mim!
Desse sentimento tô fugindo.
Sou livre, soberano, sou assim.
Eu não quero obrigação.
Vivo a vida adoidado,
Curto só a emoção.
Uma noite na balada,
Madrugada no motel,
É normal que aconteça assim.
Sou boêmio, sou festeiro.
Curto sexo, viva a vida.
Mas, do amor sou forasteiro.
Cada noite, uma despedida,
Fico apenas por ficar...
jamais penso em me casar.

Prof. Osmar Fernandes
Em 27/06/2009, texto: T1669652

Não tem ponto final - Prof. Osmar Fernandes Em 24/04/2011, texto: T2927250



Não tem ponto final

O céu se ilumina e o sonho voa.
E as flores brilham cercadas de relva.
Seu amor é fogo, gostoso, manhoso.
É livre como asa delta.

Não tem placas, nem sinal.
Prazer colorido de delírios e desejos.
Não tem ponto final.
Tem chama e queima e arde em beijos.

Essa é a nossa forma de ser feliz.
Sem compromisso com o tempo.
Tem as cores do arco-íris...

O prazer faz o vento nos levar.
Não é como azulejo no cimento...
É como onda em alto mar.


Prof. Osmar Fernandes
Em 24/04/2011, texto: T2927250


PERFEITO - poeta prof. Osmar Fernandes (Nova Londrina)


PERFEITO
Lábios colados,
Línguas frenéticas....
Bocas num laço,
Em corpos ardentes.
Tesão que se explode,
Prazer que flutua...
Química que sacode
O grande sentimento.

Desejo que se esvoaça
Além do infinito.
É vida, orgasmo,
Mito e vício...
Implacáveis.
Depois de saciado
Mundo fica leve
E o corpo agradece.

Quem vive esse gosto, gostoso,
Sente o poder dos deuses.
É perfeito.
Tem levitação.
O sonho fica manhoso,
Do céu ao favo...
Estremece o coração,
O amor sente-se amado.

Prof. Osmar Fernandes
Em 03/05/2011
Código do texto: T2946712


quarta-feira, 9 de novembro de 2016

Crise de existência




Crise de existência
Mundo cego, mudo, surdo.
Não sei o porquê tenho tanta dúvida da ciência!
É preciso descobrir o que está no escuro...
Está confusa minha consciência.

Será que Deus me virou as costas?
Será que foi quebrado o pacto do Dilúvio?
Tantas perguntas sem respostas!
Assim, meu cérebro fica esgúvio.

Será que amanhã será melhor que hoje?
Será que há reencarnação em um novo corpo?
De uma árvore boa pode nascer um fruto podre?

Falsidade, corrupção, roubo, violência...
Será que o humano sempre viveu morto?
Ou será minha crise de existência?


Prof. Osmar Fernandes
Em 05/09/2009
Código do texto: T1793893


sexta-feira, 28 de outubro de 2016

Lêda Soares de Almeida - uma homenagem à minha doce e adorável mamãe, Lêda





Lêda Soares de Almeida

Linda, aguerrida, mulher rainha.
Ensinou o amor à sua família.
Dedicou-se ao lar dia após dia.
Aprendeu a ler e a escrever na escolinha.

Soberana, diplomada, professora.
Orquestrou sua vida com muita inteligência.
Alimentou sonhos e varreu ilusões com a sua vassoura.
Reinou em seu mundo com paciência.
Estabeleceu metas e venceu na vida.
Sempre autêntica, teve a glória merecida.

Destemida, enfrentou suas feras...
E assim, demarcou a sua era.

A esposa fiel, a mãe carinhosa e a amiga perfeita.
Luz que ilumina o sonho dos seus filhos.
Mais que um ser-humano, uma mulher de brilho.
Entoou a canção do seu destino.
Investiu no seu sonho letra a letra.
Da roça a moradora dos Estados Unidos.
Alçou voos e conquistou o infinito.


Mãe, eu te amo!
Prof Osmar Fernandes
Enviado por Prof Osmar Fernandes em 20/05/2009
Reeditado em 26/09/2010
Código do texto: T1603891

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

João Fernandes de Almeida - uma singela homenagem - acróstico




João Fernandes de Almeida

Justo, trabalhador e guerreiro de lutas.
Obstinado a realizar sonhos... Gigante.
A sua glória era os palanques... Vencer disputas.
O roceiro conquistou seu espaço muito elegante.

Foi boia-fria, gato, fazendeiro, vereador e prefeito.
Estendeu sempre sua mão amiga a um irmão.
Realizou projetos de vida e de administração.
Nutriu esperanças... Foi perfeito.
Aliança com companheiros - era lei.
Naturalmente, venceu e perdeu.... Era inabalável.
Dominava seu mundo, era líder nato.
Estabelecia metas e, enfrentava o fato.
Sustentava sua palavra inquebrantável.

Duelou com seus oponentes no campo das ideias.
E os vencia sem usar de subterfúgios... de odisseia.

A sua história está no coração do seu povo.
Luzeiro que Deus, tão cedo, o recolheu da vida.
Modelo de político em extinção.
Eternamente, seu nome será bem lembrado.
Isso se deve a tudo que fez em nome da verdade.
Dádiva de um homem de bom coração.
Assim, escreveu a sua história na humanidade.
Prof Osmar Fernandes
Enviado por Prof Osmar Fernandes em 21/05/2009
Reeditado em 28/10/2016
Código do texto: T1605841
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autor: Prof. Osmar Fernandes). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Vamos salvar a água antes que a sede nos mate




Vamos salvar a água antes que a sede nos mate

          A água é o líquido mais precioso para toda a humanidade e para todo o ser vivo, em especial, a água potável, que é a água doce do planeta, que mata a nossa sede. Assim sendo, temos que refletir muito sobre o seu desperdício na hora de usá-la. Por exemplo: na hora de lavar o carro, lavar a calçada, escovar os dentes, lavar a roupa, etc.
          Outro fator importante é o cuidado que temos que ter com o lixo que jogamos em nossos rios e nos seus mananciais; o que pode poluí-lo de forma a envenená-lo, pondo assim, em risco, toda a população mundial.
          “Vamos salvar a água antes que a sede nos mate”. Salvar a água, é salvar a vida. Todos nós temos que ter essa consciência, urgentemente, pois, já há um estudo de especialistas sobre a falta de água em mais de vinte e nove (29) países, afetando mais de quinhentos (500) milhões de seres humanos.
          Durante muitos anos, muitos países brigaram pela posse do petróleo... Hoje em dia, estudos comprovam que se a escassez da água persistir, haverá guerra no mundo pela sua posse.
          Todo mundo tem que respeitar o meio ambiente, fazer a reciclagem do lixo, manter as margens dos rios limpas e economizar a água na hora de usá-la, para que as futuras gerações possam ter o mesmo prazer que todos nós. Ou salvamos a água, ou iremos morrer de sede.
Prof Osmar Fernandes
Enviado por Prof Osmar Fernandes em 23/02/2013
Reeditado em 28/10/2016
Código do texto: T4155507
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Prof. Osmar Fernandes). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Mijador








Mijador

Depois das dez da noite
É o point da velha juventude.
O local é fedorento,
E o mais exótico da cidade.
A galera vai de carro
Ou a pé para devassidão.
Bituqueiros fazem plantões...
Há muita imoralidade.
O poder maligno ganha magnitude.
O inferno sorri, vê-se vociferar o cão.

Participam tribos de todas as idades.
Dos caras lisas aos de rugas nas caras.
Mutantes esquisitos e esquisitos sem identidades.
Todos são virulentos dessa desgraça.
O mijador é o ponto da seita do mal.
Leva à loucura, ao vício, o bicho-homem animal.

Por uma ponta de bituca, de cigarro, declara-se guerra.
Os idiotas ingerem a droga como mel.
Levam suas famílias à tortura, à merda...
Contaminam o ar com esse fel.
São as pragas de séculos...
Exterminam a esperança
Dos pregos sem martelos.


Texto do livro “Espelho de Cristal”, Ed. Scortecci, SP, 2001, pág. 93 - Autor: Prof. Osmar Soares Fernandes.
Prof Osmar Fernandes
Enviado por Prof Osmar Fernandes em 22/04/2012
Reeditado em 26/12/2013
Código do texto: T3626662
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Pai





Pai

Pai, ainda ontem
Você estava aqui
Ensinando-me à vida.
Encheu meu mundo
De sonhos
E esperanças.
Eu era seu menino,
Sua criança.
A nossa casa
Era o paraíso,
A grande dádiva.
Pai, você me preparou
Para o caminho...
Foi meu professor,
Meu mestre, meu sol.
Foi a luz que Deus
Me presenteou.
Quando cumpriu
A sua missão,
Ele o recolheu.
Abrigou-se o deserto
Em minha alma.
Meu mundo desmoronou.
Só restou a lembrança
E a sua eterna saudade.
Eu nunca me esqueci
Dos seus ensinamentos.
Seu amor nunca desertou...
Ficou em mim seus mandamentos.
Prof Osmar Fernandes
Enviado por Prof Osmar Fernandes em 10/08/2014
Reeditado em 28/10/2016
Código do texto: T4917449
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autor: Prof. Osmar Fernandes). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Morra de inveja





Morra de inveja

Ainda que seu mau-olhado tente apagar meu brio,
O vento vem e sopra na direção do destino desejado...
Não há feitiço que impeça o meu grito delirante,
Nem choro mentiroso, invejoso, a destruir meu sonho.

Não adianta acender velas para as almas desamparadas.
Nem pense que sua mandinga vai me destruir.
Eu tenho um Deus que é o dono da vida e da morte.
Ele é meu protetor desde o dia que eu parti consagrado.

Você que me deseja o pior, eu digo: seu Satanás não tem poder.
Eu tenho a força do bem, do amor e sou abençoado.
Sua tentação é uma derrota, sua ambição vai morrer.
Eu tenho a luz, vida própria, sou de Deus o predestinado.

Minha luta te incomoda, minha vitória te perturba; estou protegido.
Quem nasceu para brilhar não se abala com os seus infernos.
Enquanto você pensa em me apagar, caminho em frente.
Minha vitória será sempre o seu desgosto... Morra de inveja!


Prof Osmar Fernandes
Enviado por Prof Osmar Fernandes em 15/11/2014
Código do texto: T5036127
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Prof. Osmar Fernandes). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Quando a gente faz amor




Quando a gente faz amor

Quando a gente faz amor
Nosso corpo é nossa cama.
Nosso sonho não tem dor,
É destino, e a gente se ama.

Nosso amor é ternura.
Tem fome de paixão...
Não há desventura.
E, se embriaga no coração.

Somos dois num só desejo.
Amor que vive sem doer...
Sem segredo.


Esse amor é infinito.
Dor só de prazer...
No céu já estava escrito.
Prof Osmar Fernandes
Enviado por Prof Osmar Fernandes em 10/11/2014
Reeditado em 28/10/2016
Código do texto: T5030228
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Prof. Osmar Fernandes). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Um sonho quase perfeito






Um sonho quase perfeito

Senti seus olhos me vigiando,
Buscando minhas pegadas no deserto.
Estava loucamente me torturando...
Procurando nosso mundo insólito, incerto.

Coração solitário chorava.
O labirinto sem mapa tinha segredo.
Sentimento por mais que implorava,
Era consumido pelo medo.

O vento rasgou a madrugada,
O tempo não rompeu a aurora...
E o amor se perdeu na derrocada.

O destino que já nascera imperfeito,
Adormeceu nas cinzas de outrora...
E queimou um sonho quase perfeito.
Prof Osmar Fernandes
Enviado por Prof Osmar Fernandes em 30/11/2014
Reeditado em 21/12/2014
Código do texto: T5053923
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Prof. Osmar Fernandes). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Planeta mendigo



Planeta mendigo

Misturado aos urubus, esconde seu rosto, seu nome.
Briga por cada saco de lixo em busca de pão...
É a lei do mais forte para não morrer de fome.
A espécie demarca seu território como um cão.

Despe-se de sua imagem...
Assim, é o planeta mendigo!
Marca registrada do capitalismo selvagem.
A humilhação se estampa na face dos meninos.

O homem triste, do lixo,
Tem alma, é um ser-humano.
Vive como um bicho!
Vegeta nesse mundo desumano.

Nesse lugar a Pátria apagou a sua luz.
Falta o cumprimento constitucional...
Ali, cada um faz a sua lei, carrega a sua cruz.
É a fotografia da política social.
Prof Osmar Fernandes
Enviado por Prof Osmar Fernandes em 12/12/2014
Reeditado em 12/12/2014
Código do texto: T5067692
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Prof. Osmar Fernandes). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

AMOR PRA VALER TEM QUE TER CASAMENTO



AMOR PRA VALER TEM QUE TER CASAMENTO

Me abraça e me beija e depois vai embora...
Não é amor! É só sexo e prazer e despedida.
Você é como bicho no cio...
Por que me trata desse jeito?
Assim, meu sentimento chora!
No coração brota a ferida.
Minha esperança dói nesse rito...
É dor fincada no peito.

Você só me quer pra aventura.
Estou cansado de ser seu brinquedo.
Não sou peça pendurada no mercado.
Estou sofrendo, mas tenho vergonha na cara.
Não quero mais esse amor desventura.
Não quero ser seu torpedo...
Esse destino fracassado
Não tem endereço nem casa.

Eu assinei minha carta de alforria.
O seu jeito de amar tem sentença...
Seu mundo moderno não me interessa.
A rua está cheia de esquina e divertimento.
Quero um amor de verdade, de alegria.
Um coração que me pertença.
Dentro do meu sonho tem uma regra:
Amor pra valer tem que ter casamento.
Prof Osmar Fernandes
Enviado por Prof Osmar Fernandes em 06/01/2016
Código do texto: T5502323
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Prof. Osmar Fernandes). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Renascimento ou morte




Renascimento ou morte

Hei, põe a mão na consciência e deixa de ser mal.
O mundo não suporta gente que ama a guerra...
Quem ultrapassa o sinal vermelho gosta de matar.
Quem exibe sua caça como troféu é uma besta-fera.

Hei, o mundo animal dentro de você tem que mudar.
Põe Deus no coração e compreenda o Sermão da Montanha...
A vida é curta, mas a alma é eterna!
O espinho que machuca o pé, feri a sua estrada.

Hei, não extermine a criança que você já foi.
Quem perde a inocência não é racional.
Se persistir... Seu filme terá triste final.

Cadê o amor que existia dentro de você?
Assim, seu mundo morte não tem salvação.
Você precisa renascer para merecer a iluminação.
Prof Osmar Fernandes
Enviado por Prof Osmar Fernandes em 15/01/2016
Código do texto: T5511840
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Prof. Osmar Fernandes). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Você que não se liga no mundo




Você que não se liga no mundo

Você que não se liga no mundo
E vê a bola rolar sem destino
Não tem amor nem solidariedade
Não se importa se sua casa
É em marte ou em júpiter...
Em suas veias o rio não corre para o mar
O paraíso não tem encantamento
Não existe nem passado nem futuro.

Não tem fé em Deus e não acredita na ciência
Anda como cachorro sem dono
Todo acontecimento é casual
Nascer ou morrer é uma fatalidade
Você é como o buraco de um abismo
Seu lar é um canto vazio
Não é sábio nem tolo
Vegeta num planeta morto...

Se você descobrisse o amor de Deus
E se vivesse o poder da amizade
E o quanto isso nos faz bem
Seu destino seria familiar
Você seria uma tocha de fogo
De sua própria olimpíada
Iria chorar ou sorrir
Não viveria esse engano
E seria simplesmente, humano.
Prof Osmar Fernandes
Enviado por Prof Osmar Fernandes em 17/01/2016
Código do texto: T5514197
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Prof. Osmar Fernandes). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

A minha rua



A minha rua

A minha rua é larga e asfaltada.
Fica no centro do meu bairro.
Em dia de festa é toda enfeitada.
E, tem artesãos fazendo produtos do barro.
A minha rua é a Avenida
Prefeito João Fernandes de Almeida.
É o nome do meu pai.
Uma linda alameda.
Ela começa do muro do cemitério
E atravessa a BR... Até perder de vista.
Nela tem a Rádio Rainha, a Danceteria, a Igreja,
O Comércio, o Supermercado...
E, muitos moradores.
A minha rua fica no centro
Do Conjunto Habitacional
Papa João Paulo II (180 casas),
Onde tenho bons vizinhos; toda iluminada.
Aqui, vivo feliz com a minha família.
Meu pai é sempre bem lembrado.
Minha rua tem vida e eterna morada.
Prof Osmar Fernandes
Enviado por Prof Osmar Fernandes em 24/01/2016
Reeditado em 24/01/2016
Código do texto: T5521176
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Prof. Osmar Fernandes). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Não sou infiel - soneto do prof. Osmar Soares Fernandes



Não sou infiel
Você me trata indiferente...
Como garoto de programa.
Da nossa casa, está ausente.
Nosso amor não tem mais cama.

Você inventa novas brigas...
Pra sair com suas amigas.
Toma cerveja nos barzinhos.
Depois me diz que não lhe dou carinhos?

Nem um amor sobrevive assim.
Não sou infiel!
Não há mais esperança dentro de mim.

Você leva a vida como solteira.
Trocou seu papel...
Nosso casamento ruiu de bobeira.



Prof. Osmar Fernandes, em 28/10/2016, T5805768

Sangra-seca de autoria do poeta Osmar Soares Fernandes